Insuficiência de vitamina D associada a lesões no futebol

25/06/2019 18:00

A Reunião Anual da Sociedade Americana de Ortopedia pela Medicina Esportiva realizada em San Diego foi o local de uma apresentação em 10 de julho de 2011 da descoberta de Michael Shindle, MD do Summit Medical Group e seus colegas de uma maior incidência de insuficiência de vitamina D no futebol nacional. Jogadores da liga com lesões musculares. O presente estudo incluiu 89 jogadores da NFL com idades entre 21 e 32 anos. Cinqüenta e oito indivíduos eram afro-americanos e 31 eram caucasianos. Dezesseis dos jogadores sofreram de uma lesão muscular. Os níveis de vitamina D foram testados na primavera de 2010 durante as avaliações de rotina da pré-temporada. A deficiência de vitamina D, definida como um nível inferior a 20 nanogramas por mililitro, foi identificada em 27 participantes e níveis insuficientes de 20 a 31,9 nanogramas por mililitro foram observados em 45 indivíduos. Os jogadores caucasianos tinham um nível médio de 30,3 nanogramas por mililitro, enquanto os afro-americanos tinham uma média de 20,4 nanogramas por mililitro. Entre aqueles com lesão muscular, os níveis de vitamina D em média 19,9 nanogramas por mililitro, o que é considerado deficiente. “Oitenta por cento do time de futebol que estudamos tinha insuficiência de vitamina D”, comentou o Dr. Shindle. “Jogadores e jogadores afro-americanos que sofreram lesões musculares tiveram níveis significativamente mais baixos”. “Triagem e tratamento de insuficiência de vitamina D em atletas profissionais pode ser uma maneira simples de ajudar a prevenir lesões”, acrescentou o co-autor Scott A. Rodeo, MD, que é co-chefe da Sports Medicine and Service ombro no Hospital for Special Surgery. Joseph Lane, MD do Hospital for Special Surgery, que também contribuiu para o estudo, concluiu que “Mais pesquisas também precisam ser conduzidas para determinar se o aumento da vitamina D leva a uma melhor função muscular máxima”.